sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Não Obstante a Palavra


Não obstante a palavra “vegetariano” já não ser uma palavra exótica e, reconhecendo que atualmente existe uma maior curiosidade e procura de informação sobre a alimentação vegetariana, ainda assim, existem alguns mal-entendidos sobre este tipo de alimentação. Estando referenciados vários tipos de vegetarianismo, na maior parte dos casos, quando alguém diz ser vegetariano, simplesmente está a dizer que não come animais. Com exceção dos vegetarianos” Vegans” que além de não comerem animais, não consomem nenhum produto de origem animal, grande parte dos vegetarianos têm uma alimentação que se coaduna com a alimentação dita” Normal” Omnívora, excetuando três alimentos: carne, peixe e marisco. Desmistificando o vegetarianismo, começo por dar o exemplo de um convívio onde consta uma refeição omnívora e, a presença de um vegetariano nesse convívio possa causar algum constrangimento ao anfitrião. A pergunta mais comum é: mas o que é que vou cozinhar para ele? É muito fácil. À exceção do animal, o vegetariano come de tudo. Todo o tipo de farináceos, legumes, leguminosas, frutas e alguns até comem ovos, queijos e demais derivados do leite, que podem ser preparados e cozinhados de qualquer forma. Ou seja, com os ingredientes que estão a fazer a refeição omnívora, só não adicionando a carne, peixe ou marisco, poderão fazer uma bela refeição vegetariana. Todos esses alimentos quando bem confecionados e condimentados com as excelentes especiarias que existem, fazem pratos deliciosos para o vegetariano ou qualquer outra pessoa. Ao contrário do que se pensa, o vegetariano não é somente um comedor de saladas. Embora possa comer, o vegetariano também não é um comedor de soja, tofu, Shoyu, Algas, seitan, alimentos integrais e, tantos outros produtos que fazem parte da alimentação macrobiótica e não da alimentação vegetariana. O vegetariano faz uma alimentação completamente normal, só não come animais. Como acontece com pessoas que por motivos de alergias, gustação ou alguma sensibilidade, não comem certos alimentos é, normal que também algum vegetariano tenha algumas restrições mesmo nos alimentos que podem fazer parte do seu cardápio. Anteriormente mencionei que existem vários tipos de vegetarianismo, este facto está diretamente relacionado com as motivações que levam as pessoas a esta prática. Podem ser motivos éticos (respeito pela vida dos animais), a própria saúde, razões ambientais (ecológicas e económicas) ou por razões espirituais. Independentemente do regime alimentar ou da razão da opção, o importante é sermos consumidores responsáveis e estarmos conscientes que a nossa opção alimentar tem consequências devendo ter em conta: um baixo impacto ambiental, proteger e respeitar a biodiversidade e o ecossistema, ser sustentável, nutricional e saudável. Daí, devermos dar preferência aos produtos sazonais, nacionais, de origem vegetal e produção biológica. Assim também ajudaremos os agricultores e mercados locais e concomitantemente estamos a ser uteis à economia global.

domingo, 30 de julho de 2017

Capitalismo Global

Império: “Unidade política que abrange uma vasta extensão territorial e que integra povos com diferentes culturas sob um único poder, independentemente da forma de governo”.  Nos últimos dois milénios, utilizando a força e as invasões militares floresceram impérios como o Helénico, Romano, Bizantino, Otomano entre outros, com um objetivo comum, conquistar terras e ter um domínio total sobre as suas riquezas e povos. Todos esses impérios eram personificados por uma grande figura, uma nação ou um sistema político. Assim sendo, a sua génese estava identificada e, foi possível lutar contra esses poderes e vencer. O imperialismo para os historiadores foi dado como extinto e, ao longo das últimas décadas um sistema democrático e a independência das nações foi-se impondo na generalidade dos países. Mas, subtilmente, surgiu um novo modelo de domínio, que sem rosto, nação ou sistema politico, cumpre na integra os objetivos do antigo Império. Tem um especto aparentemente inofensivo, objetivos altruístas, é atrativo, fascinante, domina as sociedades, sistemas políticos e nações. O império não acabou, mudou de estratégia. Hoje não utiliza as invasões militares como antigamente, o atual sistema imperial cujo nome é: “capitalismo global” faz exatamente o que os antigos impérios faziam, invade as nações, domina os seus povos e riquezas. Este sistema conseguiu absorver e comprometer as elites da maior parte dos países, fossem eles considerados ricos, emergentes ou pobres. Impôs ao mundo um mercado livre e global, os estados, seus habitantes e as multinacionais começaram a funcionar em função desse mercado. Criou-se mecanismos que permitiram a transferência de empresas e empregos dos países desenvolvidos para países onde a mão-de-obra qualificada e a matéria-prima são mais baratas e com uma baixa carga de impostos. Tudo vale para fazer riqueza, o império não permite que alguém o conteste, só no último ano foram assassinados 200 ativistas ambientais, por contestarem o sistema. Conforme escreveu Aldous Huxley “A ditadura perfeita terá a aparência de uma democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão com a fuga. Um sistema de escravatura onde graças ao consumo e divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão”  É alarmante a nível ambiental a crescente destruição da biodiversidade e o uso excessivo de recursos naturais, a nível social, o aumento de desemprego e trabalho precário nos países desenvolvidos. O capital precisa de transformar continuamente a natureza em mercadoria para sustentar o seu crescimento, a sua expansão tem de ter um ritmo sempre crescente para que não caia em crise e haja uma queda das ações. O consumismo excessivo está a ser introduzido nas populações como uma droga altamente viciante. O “capitalismo global” a seguir às armas atómicas é a maior ameaça que o mundo já enfrentou. Cabe a cada um de nós, ter consciência desta realidade e iniciar a sua luta contra o sistema, não se deixando manipular e passando esta mensagem tão importante para a salvação do planeta e da raça humana. 

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Uma boa Notícia


Maria Helena Braga, uma investigadora portuguesa docente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) está ligada a uma descoberta tecnológica com enormes benefícios para meio ambiente. Helena Braga e a sua equipa, descobriram o eletrólito sólido de vidro, sobre o qual em 2014 publicaram um artigo na revista cientifica “Materials Chemistry A”, que serviu de base para o grande interesse demonstrado pela comunidade científica internacional. Esta descoberta pode ser a solução para a construção de um novo modelo de baterias com um impacto ecológico positivo de grandes dimensões. Sem entrar em pormenores técnicos sobre os quais não estou capacitado, menciono apenas aquilo que mais interesse tem para o cidadão comum. O eletrólito de vidro permite construir baterias com três vezes mais capacidade de armazenamento do que as produzidas atualmente. O uso de eletrólitos de vidro permite a substituição do lítio que é um material raro, por sódio que em contrapartida é muito abundante, barato e extraído da água do mar. Não tem o perigo de explosão e deverá ser a solução para os carros eléctricos. Pode também ser utilizada em redes elétricas, resolvendo em grande parte a problemática da produção de energia a partir das fontes de energia renováveis intermitentes como a eólica e a solar. Acrescentando a tudo isto, esta bateria tem uma durabilidade muito maior que as atuais e tem um baixo custo monetário de aquisição, a sua reciclagem não necessita de grandes cuidados. Helena Braga encontra-se a trabalhar no desenvolvimento deste projeto na Universidade do Texas em Austin juntamente com o consagrado John Goodenough que foi o inventor das baterias de iões de lítio. Embora a produção da nova bateria não dependa dos investigadores, estes preveem o espaço de dois anos para a comercialização das mesmas. É uma descoberta que poderá ficar na história Mundial da engenharia física e pode ser que, após o premio Nobel da Fisiologia e Medicina ganho pelo médico português Egas Moniz em 1946, o prémio Nobel da literatura entregue ao escritor português José Saramago em 1998, Helena Barros conquiste o terceiro prémio Nobel para Portugal. Noticias como esta deveriam abrir os noticiários da rádio e televisão, serem notícias de primeira página dos jornais. Este feito deveria servir, para quem informa e divulga, aprofundar o tema da investigação em Portugal, entrevistar investigadores, dar voz aos que das Universidades clamam por mais licenças sabáticas para quem quer fazer investigação, ajudarem as universidades/ faculdades a divulgarem os seus talentos e não estar à espera de receber de fora do país as notícias dos êxitos dos nossos investigadores. As televisões a rádio e os jornais não podem estar só ocupados com os treinos e jogos de futebol, com facadas e tiroteios. As principais notícias não devem ser sobre créditos, dívidas, penhoras, prestações, juros e multas. Todos os dias existem portugueses que fazem coisas fantásticas e essas notícias é que deveriam estar em destaque. Que este êxito sirva para dar o passo qualitativo no ensino público, que se avalie a possibilidade de inclusão de modelos pedagógicos alternativos como o método High Scope, a Pedagogia Woldorf, o método Montessori, o método pedagógico Escola Moderna entre outros que fomentam a criatividade, desenvolvem o sentido critico, a cidadania, o autoconhecimento e a responsabilidade. Estes métodos pedagógicos têm por objetivo desenvolver a potencialidade cada um e estimular uma atitude cada vez mais ativa na procura do conhecimento. Para os atuais avanços tecnológicos as formas clássicas de ensino deixam de fazer sentido, desde muito novos os alunos devem aprender a relacionaram-se com a comunidade, serem colaborativos e cooperativos e compreenderem os desafios que o desenvolvimento tecnológico lhes apresenta.



sexta-feira, 5 de maio de 2017

Conversas com o filósofo


Tinha o nome de “Conversas Vadias” e foi um programa histórico passado na RTP em 1990, onde grandes personalidades do jornalismo português entrevistaram e debateram vários temas com o Professor, filósofo e ensaísta português Agostinho da Silva. É meu intuito, através destas breves palavras escritas, relembrar a existência deste vulto da cultura portuguesa e quem sabe, aguçar a curiosidade a quem não o conheça e acicatar o descobrir desta personalidade. Todos os programas de “Conversas Vadias” estão no youtube e podem facilmente ser visualizadas. Agostinho da Silva, falecido em 1994, foi um homem com uma visão profética. Desafiava as pessoas s serem aquilo para que nasceram e, não viverem sendo no que a sociedade as tornou. Foi um critico do actual modelo de ensino por achar que o mesmo cerceava a criatividade dos alunos e, onde grassavam conteúdos sem interesse prático para a vida. Defendia que o proliferar da tecnologia iria permitir mais horas livres para o ser humano, que por sua vez iria viver mais anos e a escola deveria preparar os alunos para esta nova realidade. Nas suas “Conversas Vadias” incentivava as pessoas a extraírem algo de positivo mesmo das situações mais adversas, pois, podia ser que fosse a vida a colocar essas situações, que ao serem ultrapassadas levariam a uma evolução da pessoa em questão “ não devemos dizer que a vida é negativa e ficar presos a essa ideia, mas procurar outras soluções. Podemos ser uma pedra a recusar o cinzel do escultor que nos quer tornar menos pedra e mais estátua.” Quando lhe perguntaram; O que é que acontece nas situações em que não conseguimos ultrapassar essas dificuldades? de pronto respondeu:” Pode ser que a vida seja mais inteligente do que nós, nos faça sinais, supondo que nós somos tão inteligentes como ela e, nós depois apresentemos soluções que afinal não são as mais correctas e pretendidas por ela” O filósofo não gostava de dividir as pessoas entre as que têm qualidades e as que têm defeitos. “ Em vez disso deveríamos dizer que as pessoa têm determinadas características, porque ao longo dos anos temos verificado que muitas vezes do que chamamos defeitos saíram grandes obras e são as qualidades que muitas vezes às abatem.” Abordar a obra de Agostinho da Silva pode ser importante incentivo a tudo questionarmos, desenvolvermos uma opinião própria e não nos deixarmos manipular. As novas tecnologias de informação estão a ser utilizadas de uma forma muito agressiva, por vários agentes económicos, políticos e religiosos, sendo muito importante a capacidade para filtrar toda essa informação, utilizado somente a parte útil dessa informação. O filósofo, depois das suas divagações, costumava dizer: “Mas esqueça tudo isto que lhe estou a dizer, nunca pense por mim, pense sempre por você; valem mais todos os erros que forem cometidos segundo o que pensou e decidiu do que todos os acertos, se eles foram meus e não seus. Se o criador o tivesse querido juntar muito a mim não teríamos talvez dois corpos distintos ou duas cabeças também distintas”.Também dizia que :  Os meus conselhos devem servir para que você se lhes oponha. É possível que depois da oposição venha a pensar o mesmo que eu; mas nessa altura já o pensamento lhe pertence. São meus discípulos, se algum tenho, os que estão contra mim; porque esses guardam no fundo da alma a força que verdadeiramente me anima e que mais desejaria transmiti-lhe: a de não se conformarem”. Acabo transcrevendo uma frase que li algures: “ A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”

quinta-feira, 30 de março de 2017

O Quinto Império

 
O homem vivia em grupo, ia vagueando pelas imensas terras, coletando os alimentos de que necessitava sem ter que forçar a natureza a nada que não fosse natural. Supõe-se que se alimentava de raízes, plantas e frutos que ia retirando das árvores. Com o aumento demográfico ele sentiu necessidade de se apoderar das árvores e reproduzi-las a fim de ter alimento suficiente para si e para o seu grupo. Plantou mais árvores, fez um risco no chão e passou a ser dono daquela área repartindo os alimentos segundo os seus interesses. Aquilo que deveria pertencer a toda a humanidade passou a pertencer a um só homem ou a um grupo de homens. Este é o pecado original, que deu origem à maior parte do sofrimento humano. A Bíblia regista este momento metaforicamente no episódio em que Eva e Adão, incentivados pela serpente comeram o fruto da árvore do conhecimento. O que diz esta metáfora é que, quando comeram aquele fruto que era de todos e por isso não podia ser de ninguém, cometeu-se um erro (pecado) muito grave. O comer o fruto da árvore proibida representa simbolicamente o momento em que o homem tomou conta da árvore, fez o tal risco no chão e deu início ao que hoje chamamos de propriedade privada. A partir desse momento, o homem começou a tornar-se sedentário, aconteceram os “assentamentos permanentes” que deram origem às cidades, depois aos países e por fim aos impérios. O homem apropriou-se de tudo o que era livre na natureza, aprisionou, domesticou e torturou os animais, aprisionou e tornou escravos outros homens e explorou a natureza castigando o planeta com as maiores atrocidades possíveis. A partir do momento em que o homem disse: “esta árvore é minha” o seu sentido de posse foi aumentando, tornou-se insaciável. Para obter o que julgava ter direito, fez as guerras, que ao longo dos séculos têm matado milhões e milhões de pessoas, deixou um rasto de destruição e causou um sofrimento incomensurável. Será que este percurso poderia ter sido feito de outra forma? Provavelmente não. O nosso futuro terá de ser a continuidade deste mundo de ganância em que poucos têm demais e muitos têm de menos? Viveremos num mundo onde segundo a ONU atualmente 2,4 biliões de pessoas não têm acesso a água potável, enquanto outros esbanjam os seus recursos hídricos? Em que uns morrem pela gula e outros pela fome, porque não têm um grão de cereal para comer? Poluiremos o nosso planeta de tal forma a não ser possível a existência de vida? Vamos acreditar que esse não é o nosso destino e, que o nosso futuro será o sonho do homem “poeta português” com que sonharam Camões com a criação da “Ilha dos Amores”, o Padre António Vieira e posteriormente Fernando Pessoa com a criação do “Quinto Império”. Sonharam que o “Quinto Império” seria o império português e Portugal iria ajudar a construir um império civilizacional, espiritual, de fraternidade universal a ser vivido na terra. Este “Quinto Império” promoveria a transformação e purificação da humanidade que conduziria a uma relação harmoniosa entre o homem os animais e a natureza, entre o homem e Deus. Segundo o homem “poeta português” a humanidade alcançará um grau de perfeição, entrará em comunhão com o divino, tendo acesso ao conhecimento e implantará a paz e a fraternidade no mundo. Poderemos chamar a este sonho do homem “poeta português” uma utopia, como foi uma utopia a construção do país que é Portugal, do dobrar o Cabo do Bojador, do Caminho Marítimo para a Índia e tantas outras utopias que os portugueses acabaram por tornar realidade. Hoje em dia já é fácil de constatar na sociedade portuguesa uma transformação de mentalidade e criação de um novo paradigma ambiental, ético, cultural, civilizacional e espiritual. Estejam atentos…

quarta-feira, 15 de março de 2017

Evoluindo


Segundo a Associação Vegetariana Portuguesa, em 2007 existiam em Portugal cerca de 30.000 vegetarianos. Em 2014, a Associação Portuguesa de Medicina Preventiva anunciou que esse número ascendia a cerca de 200.000. Muitos podem questionar estes números, mas, poucos contestarão a gestão comercial da McDonald’s, cuja cadeia de restaurantes em Portugal, lançou um hambúrguer vegetariano, o McVeggie, composto por quinoa e vegetais. Ninguém acredita que a maior cadeia mundial de restaurantes de fast food, iria investir num produto que não tivesse um grande número de consumidores.  Esta pequena introdução vem a propósito dos projetos de lei, que primeiramente apresentado pelo partido Pessoas Animais e Natureza (PAN) e, posteriormente pelo Bloco de Esquerda (BE) e Partido Ecologista os Verdes (PEV), torna obrigatório a inclusão de pelo menos uma opção vegetariana (que não contenha nenhum produto de origem animal) nos menus de todas as cantinas públicas e refeitórios do Estado. Esta lei, foi aprovada no parlamento na passada sexta feira com a abstenção do PSD e CDS e concordância dos restantes partidos que compõem o hemiciclo. Aguarda promulgação e a respetiva publicação em Diário da Republica. Prevê-se que entre em vigor daqui a dois meses. De salientar, que a aprovação da lei, foi pedida em petição pública por mais de 15 000 pessoas. A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) assegura a fiscalização e o cumprimento da lei, sendo esta a instituição à qual qualquer cidadão pode enviar uma queixa. Assim, acabará a discriminação que existia em relação às pessoas que têm uma opção de vida vegetariana. Mas, como uma boa notícia nunca vem só, esta semana foi publicado em Diário da Republica, no dia 3 de março, o novo estatuto jurídico dos animais. Esta nova lei, largamente noticiada aquando da sua promulgação pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, entra em vigor no próximo dia 1 de maio. O estatuto reconhece os animais como: “Seres vivos dotados de sensibilidade e objeto de proteção jurídica”. Esta legislação vem alterar o anterior código penal, no qual os animais eram considerados coisas. Estas novas leis, só surpreendem aqueles que não conhecem a história da evolução das leis em Portugal. O nosso país ao longo da sua história tem estado na vanguarda das leis que acabaram com muitas injustiças e desigualdades sociais. Vou mencionar apenas algumas das que considero mais importantes: Portugal foi o primeiro país no mundo a inscrever na Constituição a abolição da pena de morte.  Já, em 1761 Portugal tinha sido o primeiro país a abolir a escravatura, embora de forma restrita, pois só abrangia o território Continental e a Índia. Em 1869, foi aprovada a abolição completa da escravidão no império português. Em 1867, primeiro código civil, começou em Portugal a evolução dos direitos das mulheres. Em 1889, Portugal já tinha uma mulher médica e, em 1890 é autorizado o acesso das mulheres aos liceus públicos. Mais recentemente, o ordenamento jurídico português consagra, em sede de lei Constitucional, Direitos Fundamentais dos Cidadãos com Deficiência. Esta lei consagra às pessoas portadoras de deficiência o direito social, designadamente o direito à subsistência condigna. Também possuímos uma lei de bases do ambiente, bastante ambiciosa, que defende o direito dos cidadãos a terem um ambiente humano e ecologicamente equilibrado. Portugal, subscreve na íntegra a declaração sobre os direitos das pessoas pertencentes a minorias Nacionais ou Étnicas, Religiosas e Linguísticas. Muitas destas leis que têm sido fundamentais para a evolução da nossa sociedade, provêm de propostas de pequenos partidos, ações individuais e movimentos de cidadania. Dai, a importância de não criarmos bipolarização politica, dispersarmos os votos, darmos oportunidade às várias correntes de pensamento e, criarmos sinergias que contribuam para uma sociedade mais equilibrada e solidária.

 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Rendimento Básico Incondicional



Uber e Volvo juntam-se para testar carros sem condutor; Ford quer lançar carro sem condutor até 2021; A partir de agora todos os carros da Tesla são produzidos com tecnologia necessária para no futuro serem carros sem condutor. Estas são algumas das notícias produzidas diariamente anunciando avanços tecnológicos. A produção deste tipo de veículos Inevitavelmente vai provocar desemprego em milhões de pessoas cuja profissão é conduzir. As empresas que se dedicam à tecnologia estão a evoluir os robôs. Segundo estudiosos desta área a inteligência artificial provocará nos próximos anos uma perda líquida superior a cinco milhões de empregos, nos 15 países líderes. Robôs que trabalham sem revindicações, dias inteiros sem parar, sem férias, sem horas de almoço, sem doenças, são um aliciante para as grandes empresas. As máquinas deveriam ajudar o humano, diminuindo as horas laborais humanas e, concomitantemente melhorando as suas condições salariais. Mas, a ganância humana não permite que assim seja, então a máquina em vez de ajudar o humano coloca-o no desemprego e sem meios de sustentação. As pessoas não podem morrer à fome, vai ser preciso arranjar meios de sustentabilidade para esses milhões que sem emprego, precisam viver com o mínimo de dignidade. Para colmatar esta situação, surge o chamado Rendimento Básico Incondicional (RBI). O que é o RBI? O RBI é uma prestação a ser atribuída a cada cidadão, independentemente da sua situação financeira, familiar ou profissional, que lhe forneça condições para viver com o mínimo de dignidade. O RBI, não discrimina ninguém, pois todos o recebem e garante uma autonomia financeira às pessoas com mais dificuldades. Esta é uma forma de tentar acabar com a pobreza. Assim dito, parece uma utopia, uma proposta de alienados, pessoas ignorantes e irresponsáveis. Mas não é assim, é uma proposta que pode ser viável e com estudos de implementação a serem efetuados em países como a Finlândia e a Noruega. Na Suíça, embora sendo rejeitado, foi efetuado um referendo sobre a atribuição do RBI a Suíços e estrangeiros legais no país há pelo menos cinco anos A ideia de um rendimento mínimo fixo não é nova. Existe um movimento internacional que desde 1986 defende esta ideia. Este tema é destaque em Portugal devido ao partido Pessoas Animais e Natureza (PAN) defender um estudo para a sua implementação no nosso país. Segundo o PAN, ao aplicar o RBI iriam desaparecer muitas das prestações sociais (não contributivas) como o complemento social para idosos, pensões de invalidez, rendimento social de inserção, desemprego e, poderia ser atribuído um valor limite para atribuição de reformas, o que permitiria o Estado poupar milhões de euros. A esta poupança ainda podemos somar uma “poupança instantânea” em encargos públicos provocados pela pobreza aos sistemas públicos de saúde. Segundo O PAN, com os valores das declarações de rendimentos totais de IRS de 2012, que somaram 80 milhões de euros, aplicando metade dessa verba para o RBI, permitiria dar 435 euros mensais a cada adulto. O PAN ao lançar este tema para a praça pública, fez despoletar um grande interesse pelos principais órgãos de informação e deu início a um debate público com intervenção de algumas das principais personalidades políticas portuguesas. Este é um tema pertinente, que na minha opinião merece uma reflexão bastante profunda. Dei o exemplo do ramo automóvel, mas esta evolução tecnológica é transversal a toda a área comercial, como podemos constatar presentemente nas self-Checkout, que são a mais recente forma de pagamento nas grandes superfícies e que dispensam o operador de caixa e, os projectos de construção dos chamados supermercados “inteligentes”