quarta-feira, 31 de março de 2010

O que eles dizem (clicar na foto)





































terça-feira, 30 de março de 2010

Esta Mulher percebia do assunto


O texto que vou publicar dá para ver como Clarice Lispector percebia do assunto. E já agora para quem não à conheçe recomendo uma pesquisa na net, sobre esta grande escritora.

"Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afecto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer."
Clarice Lispector

Eu gostaria de ser assim. Se calhar até sou!


Há gente que consegue escrever coisas tão lindas... gostava de conhecer alguém assim.
Leiam este texto escrito por Tati Bernardi

"Sou pessoa de dentro pra fora. Minha beleza está na minha essência e no meu carácter. Acredito em sonhos, não em utopia. Mas quando sonho, sonho alto. Estou aqui é pra viver, cair, aprender, levantar e seguir em frente.
Sou isso hoje...
Amanhã, já me reinventei.
Reinvento-me sempre que a vida pede um pouco mais de mim.
Sou complexa, sou mistura, sou mulher com cara de menina... E vice-versa. Me perco, me procuro e me acho. E quando necessário, enlouqueço e deixo rolar...
Não me dôo pela metade, não sou tua meio amiga nem teu quase amor. Ou sou tudo ou sou nada. Não suporto meio termos. Sou boba, mas não sou burra. Ingénua, mas não santa. Sou pessoa de riso fácil...e choro também!"

Para descontrair ( Eu acho que dava outro medicamento eheheh)

Um médico queria DESCANSAR e ir pescar.
Então aproximou-se do seu assistente e disse-lhe:
- Manuel, amanhã vou pescar e não quero fechar a clínica.
Acha que consegue cuidar dela e de todos os pacientes?
- Sim, senhor! - respondeu Manuel.
O médico foi pescar e voltou no dia seguinte.
- Então, Manuel, como correu o dia?
- Cuidei de três pacientes.
O primeiro tinha uma dor de cabeça e,então, eu dei-lhe paracetamol.
- Bravo, meu rapaz .
- E o segundo? - perguntou o médico.
- O segundo teve indigestão e eu dei-lhe Guronsan- informou Manuel.
- Bravo, bravo! Você é bom nisso...
E o terceiro? - perguntou o médico.
- Bom, doutor, eu estava sentado aqui e, de repente, abriu-se a porta e entrou uma linda mulher. Ela arrancou a roupa, despiu tudo,incluindo o sutiã e as cuequinhas. Depois deitou-se sobre a marquesa,abriu as pernas e gritou: «AJUDE-ME, pelo amor de Deus! Há cinco anos que eu não vejo homem!''
- Nossa Senhora, Manuel, o que é que você fez?
- perguntou o médico.
- Eu pus-lhe gotas de Visadron nos olhos, doutor!

_________________

sexta-feira, 26 de março de 2010

Um raciocínio simples


O Autocarro(Ônibus) no desenho ao lado, está a deslocar-se para a esquerda ou para a direita?
Esta é uma pergunta que um aluno da primária não tem dificuldade em responder. Mas será assim com os adultos? Fico à espera da resposta eheheh

terça-feira, 23 de março de 2010

Método da estimação de uma repetição máxima

Uma das perguntas mais frequentes que me fazem é: Faz testes de uma repetição máxima para cálculos de percentagens no treino de força? Eu digo logo que não faço. Escolho o numero de repetições para o atleta fazer e coloco um determinado peso, se estiver muito leve para o que eu pretendo, coloco mais peso, se estiver muito pesado, tiro algum peso. Com duas ou três semanas de treino já sei as cargas com que os atletas devem treinar e assim evito os problemas (lesões) que a maior parte dos sistemas de avaliação de uma repetição máxima podem trazer.
Mas já fiz experiências com vários métodos, para saber a carga máxima que um atleta pode levantar. Dos métodos que conheço o melhor é o " Método de estimação de 1 RM" que também deve ser conhecido por um outro nome qualquer. Este Método é bastante fiável, pois fiz várias vezes a experiência comigo mesmo.É um método que utiliza um factor de conversão.
Para cada repetição que o atleta consiga efectuar existe um determinado numero(factor de conversão) que é multiplicado pelo peso que o atleta levantou. Por exemplo: um atleta vai fazer supino com 50 kg e faz sete repetições. O factor de conversão para sete repetições é 1.23, logo multiplicamos os 50 kg por 1.23 que é igual a 61,5 Kg. A repetição máxima deste atleta é de 61,5 Kg , com uma margem de erro muito pequena. De seguida vou colocar o numero de repetições e o respectivo factor de conversão. (1=1.00) (2=1.07) (3=1.10) (4=1.13) (5=1.16)(6=1.20)(7=1.23)(8=1.27)(9=1.32)(10=1.36)
Recapitulando: colocamos uma carga para o atleta efectuar o exercício, depois contamos quantas repetições o atleta fez. Vamos à tabela e verificamos esse numero de repetições a que factor de conversão pertence.Depois é multiplicar o factor de conversão pela carga que o atleta levantou. Outro exemplo: Agachamento 9 repetições com 200 KG, multiplicamos 200 x 1.32 que é igual 264 KG. Assim, sem colocarmos o atleta em risco, sabemos a carga máxima do atleta e a partir deste dado efectuar as respectivas percentagens para o treino.

Elixir de Romã - Para quem não conheçe


Retirei da net um artigo que acho de muita utilidade.

As propriedades medicinais da romã vêm dos seus componentes únicos - os polifenóis. Estes compostos da fruta actuam como antioxidante e anti-inflamatório, suprimindo o progresso do cancro. Num dos estudos mais recentes (Seeram et al. 2008), verificou-se que o sumo de romã é muito mais eficaz como antioxidante do que o vinho tinto, o sumo de mirtilo ou o sumo de oxicoco, que anteriormente eram considerados como os mais fortes antioxidantes. O sumo de romã tem 3 a 4 vezes mais poder antioxidante do que o vinho tinto ou o chá verde e, o elixir fermentado com polifenóis da romã tem 50 a 70 vezes mais poder antioxidante do que os mais fortes antioxidantes conhecidos até este momento.

A investigação clínica confirma que beber regularmente sumo de romã atrasa em quatro vezes o aumento do valor de PSA em pacientes com cancro da próstata. O PSA é um indicador fundamental do progresso desta doença. Novas experiências confirmam que a romã (fruto para a próstata) pode até mesmo ajudar na fase hormono-refractária, de difícil cura. A Romã revela um efeito positivo contra doenças cardiovasculares: o sumo de romã aumenta significativamente o fornecimento de sangue ao coração em pacientes com trombose coronária; em pacientes com artérias estreitas, diminui os depósitos perigosos e reduz a pressão arterial.

Existem diferenças significativas entre produtos de romã no que diz respeito à sua qualidade e conteúdo de polifenóis activos (efectivos). A dose diária recomendada é cerca de 500mg de polifenóis do sumo de romã.

Infelizmente, nem todos podem assimilar as propriedades benéficas do sumo de romã. Isto se relaciona com a disponibilidade biológica dos compostos presentes no sumo e a diversificação individual da flora bacteriana intestinal, que faz com que indivíduos diferentes absorvam polifenóis de forma diferente.

Os polifenóis após a fermentação por microrganismos vivos ou probiótica (com bactérias vivas, não sintéticas), apresentam uma maior actividade biológica. Graças à fermentação probiótica a disponibilidade de polifenóis no sumo de romã aumenta.

O facto dos polifenóis fermentados da romã serem mais eficazes é confirmado por uma série de estudos: cancro da mama (Kim et al., 2002), cancro da próstata (Albrecht et al., 2004) e leucemia (Kawai e Lansky, 2004).

CONCLUSÃO:

Xaropes de romã ou sumos disponíveis no mercado podem ter um gosto saboroso, mas não contêm os valiosos polifenóis.




Com o seu conteúdo de polifenóis apropriados, a romã é um verdadeiro elixir da vida.

O elixir de romã fermentado por Dr. Jacobs foi criado e patenteado na Alemanha por eminentes médicos-cientistas da Universidade de Mainz.

O Elixir de Romã contém 23 vezes mais polifenóis que o sumo de alta qualidade; o sumo de romã puro é praticamente indisponível - o chamado ‘sumo de romã’ encontrado no mercado tem normalmente quantidades substanciais de sumo de fruta barata e comum. É crucial que o sumo de romã seja fermentado, a fim de se alcançar um maior efeito ‘benefício-à-saúde’.

A fermentação aumenta significativamente a assimilação de polifenóis, os ingredientes mais importantes no sumo de romã. 50 frutos da romã são usados para fazer uma garrafa de Elixir de Romã Dr. Jacob’s.

Cartas e bilhetinhos de amor com um pouco de humor



Eu nunca escrevi cartas nem bilhetinhos de amor, ou se escrevi,pelo menos nunca entreguei. Talvez porque achasse ridículo.Sempre fui uma pessoa de falar olhos nos olhos.Mas pelo que parece, havia muita gente que gostava de escrever cartas de amor,escreviam tantas, que ás vezes o carteiro acabava por ficar com a namorada. eheheh. Existe um poema escrito por Fernando Pessoa com o heterónimo de Álvaro de Campos,que retrata muito bem as cartas cartas de amor e que passo a transcrever:


Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)


Álvaro de Campos, 21-10-1935

Hoje vou escrever um bilhetinho de amor , bastante ridículo, dirigido a Ninguém.Porque sempre gostei muito de Ninguém e até hoje nunca lhe escrevi nem disse nada.

bilhetinho de amor para Ninguém


Os teus olhos são o espelho, onde eu gosto de me ver

O teu corpo , a escultura , que eu gosto de admirar

O teu sorriso, o luar, que faz as noites belas

A tua presença, o sol para me bronzear



A tua voz lembra-me, que o amor existe

O teu rosto faz-me pensar

Gostar de ti é triste

Porque nunca te poderei tocar



Ás vezes és o samba alegre

Outras o triste fado

o teu som, são melodias

Que me mantêm acordado



José Adriano Gonçalves

sexta-feira, 19 de março de 2010

Quem sabe da existência de Irena Sendler?


“ A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade. - Irena Sendler ”








Irena sendler morreu...sabes quem era?

Uma senhora de 98 anos chamada Irena acabou de falecer.
Durante a 2ª Guerra Mundial, Irena conseguiu uma autorização para trabalhar no Gueto de Varsóvia, como especialista de canalizações.

Mas os seus planos iam mais além... Sabia quais eram os planos dos nazis relativamente aos judeus (sendo alemã!)

Irena trazia meninos escondidos no fundo da sua caixa de ferramentas e levava um saco de sarapilheira, na parte de trás da sua camioneta (para crianças de maior tamanho). Também levava, na parte de trás da camioneta, um cão a quem ensinara a ladrar aos soldados nazis quando entrava e saia do Gueto.
Claro que os soldados não queriam nada com o cão e o ladrar deste encobriria qualquer ruído que os meninos pudessem fazer.
Enquanto conseguiu manter este trabalho, conseguiu retirar e salvar cerca de 2500 crianças.
Por fim os nazis apanharam-na e partiram-lhe ambas as pernas e os braços e prenderam-na brutalmente.

Irena mantinha um registo com o nome de todas as crianças que conseguiu retirar do Gueto, que guardava num frasco de vidro enterrado debaixo de uma árvore no seu jardim.
Depois de terminada a guerra tentou localizar os pais que tivessem sobrevivido e reunir a família. A maioria tinha sido levada para as câmaras de gás. Para aqueles que tinham perdido os pais ajudou a encontrar casas de acolhimento ou pais adoptivos.
Em 2007 foi proposta para receber o Prémio Nobel da Paz... mas não foi seleccionada. quem o recebeu foi Al Gore por uns diapositivos sobre o Aquecimento Global

Não permitamos que, alguma vez, esta Senhora seja esquecida!!

E tal como ensinamos aos nossos filhos os nomes dos ídolos ( futebolistas , atletas e outros heróis de coisas fúteis)devemos também ensinar os nomes, destes verdadeiros heróis, que são um bom exemplo, para os nossos filhos aprenderem a construir um Mundo melhor.Para saberem mais sobre esta mulher vão a:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Irena_Sendler

quarta-feira, 10 de março de 2010

Palavas ao vento.....


Gosto muito de poesia. Ás vezes escrevo umas maluquices, mas acabo por deitar no caixote do lixo. Mas hoje vou colocar uma das minhas tentativas de fazer poesia. O nome do poema é "Lampejo da Mente" e escolhi a foto de uma orquídea, porque além de ser a minha flor preferida, quando vejo uma orquídea sinto uma sensação de pureza. ( coisas de maluco eheheeh)


Lampejo da Mente

Nos labirintos da minha mente
Onde vagueias, nos momentos de solidão
Grito por ti, tu não ouves
Suplico, mas não respondes
Estás tão perto e não te consigo tocar

Nos labirintos da minha mente
Tu és rainha, eu o único súbdito
Nesse lugar que não existe
Tal como tu e eu não existimos
Ordeno o impossível
E a ficção torna-se realidade

Nos labirintos da minha mente
És rainha, mas prisioneira
Prisioneira do que eu gostaria que fosses e não és
Das palavras que eu gostaria de te ouvir e não dizes
Do carinho que me poderias dar e não dás

É nos labirintos da minha mente
Que o súbdito torna-se rei
E a rainha a mais simples da plebe



José Adriano Gonçalves

terça-feira, 9 de março de 2010

A solidão existe. Eu já a vi

Esta foto tem escrito no reverso " ofereço esta fotografia à minha querida noiva em prova de eterna amizade e como lembrança de um ano e meio de ausência. Lisboa 26 de Setembro de 1943. Teu estimado noivo Álvaro Gonçalves" Esta foto do meu pai, a preto e branco, não permite ver o azul claro dos seus olhos.Ele nesta altura tinha 22 anos, estava a prestar serviço militar e tinha sido deslocado para Lisboa. Pois embora Portugal não partipasse na Segunda grande guerra , o País estava em prevenção militar.
18 anos depois do meu pai ter enviado esta foto à minha mãe nasci eu. Tive uma infância algo atribulada devido a uma rebeldia excessiva. Os meus pais sempre me fizeram lembrar que eu tinha sido concebido com o objectivo de fazer-lhes companhia na velhice.
O meu pai que tinha horror a lares da terceira idade, fazia-me prometer que quando ele e a minha mãe fossem velhinhos eu nunca os colocaria num lar desses. Promessas que pelas circunstâncias da vida não consegui cumprir na totalidade.
O meu pai nunca foi uma pessoa de demonstrar os seus sentimentos, pelo que nunca vou saber quanto é que ele gostava de mim.
O meu relacionamento com ele, foi mais ou menos isto: primeiro tinha medo dele, depois passei a ter respeito, a seguir comecei a admirá-lo e acabei amando este homem, que tanto fez por mim. Habituei-me a ver no meu pai um homem forte e cheio de energia, e custou-me muito ver a sua fase final da vida, completamente quebrado, dei-lhe banho, mudei-lhe fraldas, algumas vezes dei-lhe comer na boca, quase que passou de meu pai a meu filho. Depois, aconteceu a entrada num lar da terceira idade.
No princípio correu da melhor forma, o Lar era excelente, ele fez uma boa recuperação a nível físico, tornando-se quase autónomo nas suas actividades básicas. A partir de certa altura notei que começou a ficar desmotivado, surgiram alguns problemas de saúde e depois o inevitável, a morte.
Um dia, numa das minha visitas periódicas ao Lar, encontrei o meu pai, diferente. Quanta tristeza havia nele! O azul brilhante dos seus olhos, tornara-se baço. Tinha o olhar fixo num ponto longínquo, que parecia desligar a mente do presente, para que esta pudesse calcorrear toda a história de uma vida passada.
Nesse dia, eu vi nos olhos do meu pai a solidão. Eu sabia que a solidão existia, mas não fazia ideia do que era, nunca lhe tinha prestado atenção, não lhe dava grande relevância. Mas, nesse dia, o dia em que vi a solidão nos olhos do meu pai, não sei como explicar! só sei que nunca vou esquecer essa imagem. Senti uma mágoa enorme, e comecei a falar-lhe no passado, se ele se lembrava como é que fazia para eu adormecer, do presépio que tínhamos construído juntos, etc. Veio-me as lágrimas aos olhos, e ele disse, não chores, porque assim eu também acabo por chorar. A nossa conversa acabou com ele a dizer-me com uma voz amargurada “ tudo passa”
Sim, eu vi o rosto da solidão nos olhos do meu pai, vi uns olhos que não encontravam um sentido para viver. Mas até hoje, nunca consegui encontrar palavras para descrever o que vi nos olhos do meu pai, A solidão. Só sei que fiquei com medo, um medo que me persegue, o medo da solidão.
Escrevi este texto, para nunca esquecer- me que a solidão existe, mas também como forma de expiação, por não ter conseguido cumprir a promessa que desde muito pequeno tinha feito a meu pai:" nunca o enviar para um Lar de idosos". A terminar uma frase que li algures “ A gente nasce e morre só. E talvez por isso mesmo é que se precisa tanto de viver acompanhado”( Rachel de Queiroz)

Motivação - Um trabalho diário



Hoje precisei ler algo sobre motivação e entre muitas coisas que li, encontrei uma frase e uma pequena história que passo a transcrever. A frase é : " As pessoas dizem frequentemente que a motivação não dura. Bem, nem o banho, e é por isso que ele é recomendado diariamente" Zig Ziglar Já me tinha esquecido que todos os dias tenho que motivar-me. Ehehehe. A história que se segue também é um exemplo, dos factores que interferem na motivação e que vale a pena ler.
Esta é a história de um menino que vivia sozinho com o seu pai. Ambos tinham uma relação de amizade e respeito muito especial. O menino pertencia à equipa de futebol americano da escola, normalmente não tinha oportunidade de jogar, ou melhor, quase nunca. Mesmo assim seu pai permanecia sempre nas bancadas fazendo-lhe companhia. Quando entrou no segundo ano, ele era o mais baixo da turma, mas insistia em fazer parte da equipa de futebol do colégio. O seu pai dava-lhe conselhos e explicava que ele não tinha que jogar se não quisesse realmente. Mas o rapaz amava o futebol e não faltava a nenhum treino ou jogo, estava decidido a dar o melhor de si e sentia-se comprometido.
Os colegas chamavam-no o "aquece bancos", porque vivia sentando como suplente... No entanto o seu pai, com espírito lutador, ficava sempre nas grades fazendo-lhe companhia, dizendo-lhe palavras de consolo e dando-lhe todo o apoio que um filho pode esperar.
Quando ingressou na Universidade, tentou entrar na equipa de futebol e todos estavam certos de que não conseguiria, mas ele venceu todos entrando na equipa. O treinador disse-lhe que o tinha aceitado porque ele demonstrava jogar de corpo e alma em cada um dos treinos e ao mesmo tempo transmitia à equipa grande entusiasmo. A notícia encheu seu coração por completo, correu ao telefone mais perto e ligou para o pai, que compartilhou com ele a emoção. Enviava sempre ao pai os ingressos para assistir aos jogos da Universidade. O jovem atleta era muito persistente, nunca faltou a nenhum treino ou jogo durante os quatro anos de universidade e também nunca teve a chance de participar de nenhum jogo.
Era o final da época e alguns minutos antes de começar o primeiro jogo das eliminatórias, o treinador entregou-lhe um telegrama. O jovem leu e ficou em silêncio por alguns instantes... Respirou fundo e, tremendo, disse ao treinador: o meu pai morreu esta manhã: Existe algum problema se eu faltar ao jogo hoje? O treinador deu-lhe um abraço e disse: tire o resto da semana de folga, filho, e nem pense em vir no sábado. Chegou o sábado e o jogo não estava bom... Quando a equipa estava com dez pontos de desvantagem o jovem entrou na cabine, colocou o equipamento em silêncio, correu até o treinador e fez- lhe um pedido, quase uma súplica: - Por favor, deixe-me jogar... Eu tenho que jogar hoje, falou com insistência. O treinador não queria escutá-lo. Afinal, não podia deixar que seu pior jogador entrasse no final das eliminatórias.

Mas o jovem insistiu tanto que, finalmente, o treinador, sentindo pena deixou:

- Ok filho, podes entrar, o campo é todo teu...

Minutos depois o treinador, a equipa e o público, não podiam acreditar no que estavam vendo. O pequeno desconhecido, que nunca tinha participado de nenhum jogo, estava sendo brilhante, ninguém podia detê-lo no campo, corria facilmente como uma estrela. A sua equipa começou a fazer pontos até empatar o jogo e nos últimos segundos o rapaz interceptou um passe e correu por todo o campo até fazer o último ponto... E graças a ele a sua equipa foi a vencedora. As pessoas que estavam nas bancadas gritavam emocionadas e ele foi carregado por todo o campo. Finalmente, quando tudo terminou, o treinador notou que o jovem afastara –se dos outros e estava sentado, em silêncio e pensativo. Aproximou-se dele e falou:

- Garoto, não posso acreditar! Estiveste fantástico! Conta-me como conseguiste!

O rapaz olhou para o treinador e lhe disse:

- O senhor sabe que meu pai morreu..., Mas o que o senhor não sabia é que ele era cego. Meu pai assistiu a todos os meus jogos, mas hoje era a primeira vez que ele podia ver-me jogando... E com um sorriso molhado de lágrimas concluiu: Eu quis mostrar-lhe que sim, que eu podia jogar bem.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Amor, Paixão , Sexo e outras drogas

Ao longo de milhões de anos de evolução os seres vivos foram criando adaptações, mecanismos de sobrevivência e estratégias, afim de se reproduzirem e transmitirem os genes que os tornaram bem sucedidos. A partir de determinada altura, o simples facto de sobreviver e reproduzir-se, deve ter-se tornado desmotivante e por isso os genes começaram a criar mecanismos que tornassem a vida mais interessante. Aí começaram a aparecer aquilo a que nós damos o nome de amor, paixão, sexo e outras drogas que proporcionam felicidade, bem-estar, alegria, momentos de êxtase etc. Com esta estratégia, os genes conseguiram fazer com que se deseje viver o mais tempo possível, dando mais tempo para a reprodução, criar os filhos e actualmente até ajudar os netos. Assim o gene, vai continuar a perpetuar-se.
O amor, a paixão o sexo e outras que não vou abordar nesta divagação, são drogas que provocam dependência e momentos de prazer inigualáveis. Mas tal qual as drogas químicas, quando utilizadas em doses excessivas, trazem a amargura, desilusão, destruição de amizades e às vezes até a destruição de vidas. O amor tem características únicas “ é um sentimento que nos impele para o objecto dos nossos desejos” “ O amor é benigno, não é invejoso, não é inconveniente, não procura o próprio interesse, não se irrita, não guarda ressentimento, não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade, tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca acaba” Camões escreveu que “ o amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente” Florbela Espanca escreveu “ Quem disser que se pode amar alguém a vida inteira é porque mente” Salomão o rei sábio também deu a sua dica sobre o amor escrevendo “aquele que ama com o coração é estúpido”
Já a paixão é diferente. Há gente que é incapaz de amar, mas tem uma capacidade enorme para ter grandes paixões. As paixões normalmente são efémeras, não procuram lógica, baseiam-se num afecto violento e arrebatador. Segundo um estudo da professora Cindy Hazan, da Universidade Cornell de Nova Iorque “os seres humanos são biologicamente programados para se sentirem apaixonados durante 18 a 30 meses” entrevistando 5000 pessoas de 37 culturas diferentes, descobriu que a paixão tem um” tempo de vida”, longo o suficiente para que o casal se conheça, copule e produza uma criança. Esta pesquisadora descobriu algumas substâncias responsáveis pela paixão: dopamina, feniletilamina e ocitocina. Estes produtos químicos são todos relativamente comuns no corpo humano mas são encontrados juntos apenas durante as fases iniciais de uma relação amorosa.Com o tempo o organismo vai tornando-se resistente aos seus efeitos e toda a “loucura” da paixão desvanece gradualmente – a fase da atracão não dura sempre. O casal, então, encontra-se frente a uma dicotomia: ou separa-se ou habitua-se a manifestações mais brandas de amor, companheirismo, afecto e tolerância, e permanece junto” Isto é especialmente verdadeiro quando estão envolvidos filhos na relação” na minha opinião esta é a principal razão dos divórcios. Para resolver este problema os genes também ajudaram a criar a religião, que diz que o divórcio é pecado. Em algumas pessoas ainda funciona eheheh.
O sexo, representa um poderoso papel no relacionamento humano, pois além de ser a forma pela qual o gene se transmite de geração em geração é também um momento sublime de prazer, ao qual é muito difícil resistir. O enorme prazer de uma relação sexual, que vai desde os preliminares até ao orgasmo, tem tido ao longo da nossa existência um grande investimento no desenvolvimento da sua prática. O ser humano tenta ir cada vez mais longe na prática do sexo, desenvolvendo e aperfeiçoando novas técnica que permitam cada vez mais, atingir momentos de prazer mais intensos e douradores.
Ao ler o que escrevi nesta divagação, acho que fiquei mais esclarecido sobre o que é o amor, embora continue com muitas dúvidas. Fiquei esclarecido em relação à paixão e à razão de tantos divórcios e tantas traições nos casamentos. Esta divagação, também fez-me reflectir sobre o sexo, e de facto deve ser mesmo a melhor droga do Mundo. Só pensei no que era o amor, a paixão e o sexo porque escrevi este artigo, pois normalmente não são temas de reflexão, acontece, e não é preciso pensar no que é…. De qualquer forma, agradeço aos meus pais terem utilizado estas drogas que a natureza lhes proporcionou ( caso contrário não teria nascido) e me terem transmitido o vicio pois tem contribuído muito para a minha felicidade e prazer de viver. Aconselho a todos os meus amigos a utilização destas drogas, enquanto não fazem parte da lista de produtos ilícitos. eheheeh